WhatsApp

(83) 99681-8500

Justiça do Trabalho condena Botafogo-PB a pagar indenização a ex-funcionário - PB Play

Esportes

12/09/2018 às 17h22 - Atualizada em 12/09/2018 às 17h22

Justiça do Trabalho condena Botafogo-PB a pagar indenização a ex-funcionário

Jefferson Santos
Campina Grande - PB

O Botafogo-PB foi condenado nesta terça-feira (11), pela Justiça do Trabalho, a pagar verbas rescisórias e salários retidos, a um estudante de Educação Física, que trabalhou na equipe em dois períodos, um deles como auxiliar técnico e outro como jogador do clube.

A relatora do processo, desembargadora Ana Maria Ferreira Madruga, manteve a decisão da primeira instância e observou que o autor trabalhou para o Botafogo-PB em dois períodos, sendo de 1992 a 1993 como atleta e de 2014 a 2015 como auxiliar técnico do time. No processo foram anexadas fotografias em que o autor aparece vestindo a camisa da Comissão Técnica. “A despeito dos argumentos do recorrente, não vislumbro razão para reforma da sentença de primeiro grau”, disse a magistrada.

Segundo a desembargadora, ao admitir que o autor frequentava a sede do Botafogo na condição de estagiário, o clube atraiu para si o ônus da prova de suas alegações, encargo do qual não se desincumbiu. “É que não há nos autos qualquer prova da existência de contrato de estágio, na forma que estabelece a Lei 11.788/2008. Não cuidou o clube sequer de juntar o instrumento de formalização do suposto estágio, com intervenção da instituição de ensino, supervisão das atividades do estagiário, avaliação e etc”, disse.

Comprovação

Sob a alegação de que o estudante havia requerido um estágio não remunerado na função de preparador físico, o Clube apresentou as súmulas dos jogos realizados pelo time durante o período do suposto contrato de trabalho, onde constavam todas as informações técnicas da agremiação e confirmavam que o reclamante nunca integrou a equipe profissionalmente.

Para a relatora, o fato do nome do estudante de Educação Física não constar nas súmulas dos jogos não surpreende, já que o vínculo de emprego era clandestino. Além disso “as fotos apresentadas na inicial comprovam que o autor estava presente nos jogos e vestia a camisa da Comissão Técnica”, disse a magistrada, que negou provimento ao Recurso Ordinário do Clube de Futebol. A decisão foi acompanhada, por unanimidade, pela Primeira Turma de Julgamento do TRT da Paraíba.

ESTA MATÉRIA FOI VISTA 51 VEZES

Comentários

Veja também

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

MAIS LIDAS DO MÊS
PB Play
Editoriais
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
P3 host brasil